Grau da calvície: saiba como identificar

A calvície é um problema que atinge milhares de pessoas. Entretanto, os homens são os que mais sofrem com a queda de cabelo.  As causas são as mais variadas, mas de antemão, também é importante identificar o grau da calvície e a relação com o problema.

Entenda cada grau da calvície

Os fatores para a perda ou enfraquecimento dos fios, pode ocorrer devido ao estilo de vida, problemas genéticos, má alimentação, doenças psicológicas ou stress. Cada paciente apresenta um tipo de calvície, e é possível medir o grau em que a doença está. Existem algumas variantes para os graus de calvície, que são 7 no total. Porém, é muito importante que o paciente saiba em qual deles está para entender quais são suas opções de tratamento, que podem ser, por exemplo, clínico ou cirúrgico, como é o caso dos implantes capilares, nome pelo qual é conhecido o transplante capilar, técnica definitiva para quer dar adeus a calvície.

Grau I

O grau I de calvície é o mais imperceptível e corriqueiro que existe. Esta fase é identificada por entradas na parte superior da testa, e as rarefações não são muito notáveis. Costuma acontecer em homens a partir dos 25 anos de idade. Entretanto, as mulheres também estão suscetíveis.

Grau II

Esse tipo também é identificado pelas entradas na testa, porém, são um pouco mais acentuadas que no grau anterior. O cabelo começa a ficar miniaturizado e é necessário que o paciente passe a observar melhor a rotina de queda dos fios.

solicite um contato

Grau III

Neste grau de calvície, o problema já está mais evoluído, e as entradas são cada vez maiores. Além disso, a coroa começa a ser afetada também. O paciente precisa ter mais atenção e observar bem as áreas afetadas pelo problema. Nesta fase também um tratamento já pode ser iniciado.

Grau IV

Nesta fase a região da coroa é a mais afetada, o grau de calvície começa a ser mais grave. As entradas são muito mais acentuadas, do que  na fase anterior. Para reverter o quadro, somente um transplante capilar é capaz.

Grau V

É durante o grau V que a calvície que atinge a coroa e começa a se conectar com as entradas da frente da cabeça. Entretanto, homens com mais idade são os que mais sofrem, pois muitos folículos capilares já estão mortos.

Grau VI

A partir daqui, o problema começa a ser mais severo e preocupante. Afinal, depois de passar por diferentes etapas, a calvície fica mais crítica. Sendo assim, grande parte dos fios já foram perdidos e em resumo, o grau VI é a fase de transição da queda de cabelo para o grau VII. Um transplante capilar é a solução, porém, é preciso estar atento para que os cabelos que ainda restam permaneçam saudáveis e bonitos. Afinal, para um transplante capilar é necessário uma área doadora para que a região afetada seja recuperada.

Grau VII

O grau VII é a evolução do grau VI e é a fase mais grave que existe do problema. Certamente, neste momento, o couro cabeludo já apresenta menos de 20% dos fios de cabelo. Definitivamente toda a cabeça está calva. Este quadro é mais comum de ocorrer acima dos 40 anos de idade. Entretanto, nem todos os tratamentos permitem a reversão do problema. Apenas alguns tratamentos bem específicos são capazes de recuperar os fios. Não importa em que grau você está. É fundamental que o paciente procure um médico especialista ao perceber qualquer sintoma de calvície.

Agora que você já sabe tudo sobre o grau da calvície, procure um especialista para saber em qual você se enquadra e que tratamento é o melhor para o seu caso. Caso opte pelo implante capilar, tire suas dúvidas com o médico para conhecer as técnicas disponíveis.

Quer saber como resolver de vez a calvície? Aqui, falamos melhor a respeito! Conheça nosso Facebook e saiba mais sobre a nossa clínica. 

Dr Raul Mauad
  • Doutorado em Medicina (Clínica Cirúrgica) pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo-USP (2003).
  • Especialista em Cirurgia Plástica pelo Serviço do Professor Ivo Pitanguy (1996).
  • Médico formado pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (1990), com Residência em Cirurgia Geral no Hospital da Clínicas da FMUSP-RP (1992).
  • Em 2010, estagiou no mais conceituado Centro Oncológico dos E.U.A, Huston- Texax, MD. Anderson Cancer Center- Departamento de Cirurgia Plástica sob a tutela do Prof. Dr. Geofrey Robb.
solicite um contato